sexta-feira, 19 de maio de 2017

Uma longa jornada

Dia 24 de Janeiro, madrugada.
A sensação de dormência do lado direito leva-me ao hospital... Metastase no lado esquerdo do cérebro.

Este sacana a aparecer á traição!!

Feita a operação de remoção e o médico não dá quaisquer garantias de que alguma vez voltarei ao normal, o que ele não sabe é que bato o pé a tudo isto e não me deixo vencer, sou demasiado teimosa.

Mas há dias que me sinto quebrada!

sexta-feira, 5 de maio de 2017

As fases

Feita de fases esta "nova vida", boas ou menos boas temos que aprender a viver com elas.

Dezembro 2015: diagnóstico
E avisar o marido e o irmão... dar esta novidade a quem se ama? É um momento terrível porque me parecia a mim que dar esta noticia á distância e não poder estar lá para os confortar... Sim! É um momento tão estranho que pensamos em confortar os outros.

Janeiro 2016: operação e tudo a correr bem.

Depois vem aquela fase desagradável...
Fevereiro a Abril 2016: inicio dos tratamentos de quimioterapia... o primeiro não correu mal, o segundo foi especial!
No 2º dia da 2ª sessão de tratamentos tive o que o médico chamou de "intoxicação química", mas eu chamo "o dia da ganza"... Acordei terrivelmente cansada, sem conseguir falar e uma profunda vontade de chorar apenas pelo facto de olhar alguém nos olhos. Esqueci a minha data de nascimento... Seguiram-se 3 dias sem beber nem comer e uma desintoxicação, que é das piores coisas que passei até hoje.

Aqui decidi que a família próxima e amigos teriam que saber o que de facto se passava, até este dia decidi mantê-los fora de tudo isto.

Maio a Junho 2016: a radioterapia. Desengane-se quem pensa que isto é fácil!! Hoje quase 1 ano depois continuo a ter a pele queimada, a renovação é um processo lento mesmo depois de ter feito terapia a lazer durante 1 semana.

Depois de tudo isto e com um diagnóstico optimista, apesar de raro - Sarcome de celules fusiformes (Sarcome de celules fou é o que lhe chamo ou seja, Sarcoma das células loucas) - por ter um crescimento desenfreado mas sempre a massacrar o mesmo local... ou assim se pensava!

Outubro 2016: nova operação... o tipo teima em aparecer e o assustador é que é muscular e músculos temos em todo o corpo.

Dezembro 2016: cá está ele novamente!! O gajo teimoso, não se cansa.
Nova operação agendada para Janeiro de 2017, mas nessa altura veio um contratempo...

A 24 de Janeiro quando me preparava para a nova operação, eis que temos uma surpresa...

terça-feira, 2 de maio de 2017

Longe e perto

Temos que fazer perto o que está longe, ninguém vive sozinho, ninguém sobrevive isolado.
As pessoas importantes são necessárias quer estejam aqui ao lado ou aqui perto.

Isto foi algo de que me fui apercebendo, que embora necessite de momentos de isolamento, necessito também de momentos de convívio, alegria, descontração.

Para isso contribuíram algumas pessoas muito especiais, pessoas que não sendo família, fazem parte de nós, que nos acarinham, que nos dão coragem para olhar de frente para o caminho que seguimos.
Estas são "o meu trio maravilha", não há nomes, não é necessário...

Outras fazem parte do nosso dia-a-dia e outras foram aparecendo por acaso.

Mais que tudo tenho a sorte de ter a meu lado um companheiro maravilhoso! Um apoio em todos os momentos, um grande amigo que tem estado ao meu lado para tanta coisa.

E passo a passo vamos combatendo ferozmente as contrariedades e avançando por este labirinto.
Porque o cancro não se vence sozinho, mas com o apoio de toda uma equipa e eu tenho comigo uma excelente!!

quarta-feira, 26 de abril de 2017

A volta para cá voltar

Ao tempo que aqui não vinha! Por falta de tempo, por ter tempo a mais, por falta de vontade, por abandono, sei lá!!
Há tanta coisa a passar-se nas nossas vidas que é fácil desligarmo-nos, tomarmos caminhos diferentes, mais fáceis, acomodarmo-nos...

Este último ano foi de revolução, não consentida claro está!! Tenho cancro! Este gajo que se intromete em todo o lado e de qualquer maneira!! É um tipo abusador e teimoso!

Cada pessoa tem o seu tomar de consciência, eu lembro-me de ter pensado apenas em três pessoas: o meu marido, o meu irmão e o meu sobrinho.
Normalmente este não é um tema de conversa, não quero viver pela doença, basta-me viver com ela sob as minhas regras e não estar dependente do que ela me possa trazer, e por isso, sigo o meu ritmo, sem pressas.

Quem me conhece sabe que não dramatizo, aliás, detesto dramas, é algo que me irrita profundamente! Descompliquemos a vida! Com coisas tão difíceis de suportar se gastarmos as nossas energias em coisinhas tão pequenas, o que nos resta?
Existem tantas coisas boas às quais darmos importância.
É importante a amizade.
É importante o céu azul.
É importante ler um bom livro.
É importante termos espaço para nós.
É importante continuar a fazer planos!! Nós, eu, não fiquei parada á espera que o tempo passasse por mim! Eu quero continuar a passar por ela, sem pressa, saboreando as coisas, rindo ou chorando (porque também faz falta lavarmos a alma). O importante é continuarmos.